Notícias Gerais

Tilápia: O peixe de sabor suave que virou catarinense

Santa Catarina é atualmente um dos maiores produtores de tilápias do Brasil. Esse fato impressiona quando se considera que essa espécie de peixe se adapta melhor a temperaturas ambientes entre 26 e 30 graus centígrados. Além disso, o Estado, que tem apenas 1,2% do território nacional, precisa superar barreiras geográficas para a produção de peixes de água doce, como sua superfície bastante irregular, marcada por montanhas. Com mercado consolidado, a produção profissional em 2013 foi estimada em 17 mil toneladas.

Hilton Amaral Júnior, pesquisador do Campo Experimental de Piscicultura da Epagri de Camboriú (Cepc), tem uma explicação simples e direta para o sucesso catarinense na produção de peixes de água doce, especialmente da tilápia: o trabalho de pesquisa e extensão desenvolvido pela Empresa ao longo dos anos.

A tilápia é um peixe de fácil cultivo, resistente ao manejo e com filhotes (alevinos) facilmente encontrados à venda para ser cultivados. Porém, os produtores vinham enfrentando problemas relacionados à qualidade desses alevinos. Eles apresentavam baixa taxa de crescimento, peso desuniforme na despesca, conversão alimentar elevada e aparecimento de algumas deformidades.

Foi motivada por esse cenário que a Epagri passou a investir no melhoramento genético de tilápias. Criou o Projeto seleção massal da tilápia-do-nilo, Oreochromis niloticus, linhagem Gift. O objetivo é disponibilizar ao setor produtivo linhagens de tilápia-do-nilo com características produtivas satisfatórias e adaptadas às condições de cultivo de nosso estado, explica Silvano Garcia, técnico do Cepc e um dos desenvolvedores da pesquisa.

Linhagem catarinense

“Gift” é a sigla em inglês para tilápia de cultivo melhorada geneticamente. Essa linhagem resulta de 15 gerações de seleções realizadas por institutos de pesquisa da Ásia em parceria com instituições da Noruega. A linhagem foi importada oficialmente pela primeira vez pelo Brasil em 2005, pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). E foi de lá que vieram os alevinos que deram início ao estudo da Epagri.

Mercado consumidor

A tilápia é um peixe de sabor suave, com baixos níveis de gordura, que produz um filé de cor branca e sem espinhos. Por essas qualidades, vem ganhando cada vez mais espaço na mesa dos brasileiros. “É essa percepção do mercado consumidor que vem impulsionando a produção nacional”, relata Fernando Soares Silveira, extensionista do Cedap.

Os números de 2013 ainda não estão consolidados, mas Fernando estima que no ano passado só a produção profissional de tilápias tenha chegado a 17.000t no Estado, índice que em 2012 foi de 15.232t. Para levantar o total de peixes produzidos, o Cedap leva em conta produções profissionais e amadoras. Assim, com base em sua estimativa, o extensionista pode adiantar que o volume de tilápias produzidas em 2013 no Estado deve superar o ano anterior.

Mais indústrias

Santa Catarina absorve praticamente toda a sua produção de peixes de água doce. A metade vai para pesque-pagues, 30% para as indústrias e 20% para o mercado local, caracterizado por peixarias, feiras, vendas na propriedade, etc. Segundo o documento do Cepa, a tendência é aumentar cada vez mais a participação da indústria no processamento de peixes de água doce, mas há a preocupação de que a implantação de novas unidades processadoras esbarre na falta de matéria-prima.

A falta de indústrias processadoras para transformar as tilápias em filés era um problema que preocupava os cerca de 20 produtores que compõem a Associação de Piscicultores de Gaspar (Aquipar).

Mas ainda há muito a ser feito em Gaspar. Ofélia Maria Campigotto, tesoureira da Aquipar, revela que em 2013 os integrantes da associação produziram 400t de tilápias. “Mas temos capacidade de produzir mais”, acredita ela. Para tanto, seria necessário instalar na cidade um abatedouro que se comprometesse a absorver a produção local. A instabilidade do mercado não torna essa uma perspectiva viável para os próximos anos.

A cooperativa Juriti vem fomentando, desde setembro de 2013, a produção de tilápias entre seus associados. Para ingressar na cooperativa o produtor é obrigado a aceitar o cultivo da linhagem Gift. Ao todo, 25 produtores, nos municípios de Massaranduba, Guaramirim e Jaraguá do Sul, aderiram à proposta. Segundo Dagvin Wachholz, engenheiro-agrônomo da Juriti, nessa primeira etapa do projeto a cooperativa financiou toda a ração aos produtores, num investimento de R$1 milhão.  Ela só receberá o montante do produtor no fim de cada ciclo, com a venda dos peixes.

Em um ano, os produtores ligados à cooperativa comercializaram 164t de tilápias para indústrias locais e pesque-pague do Paraná e de Santa Catarina. A expectativa da Juriti é chegar a produzir 350t de tilápias por ano. “O consumo de alimentos mais saudáveis está aumentando a cada dia, e o peixe está entre eles”, lembra Dagvin, destacando que a inclusão desse item na merenda escolar fará com que as crianças comecem a ter o hábito de consumir o alimento, aumentando a demanda.

Matéria produzida por Gisele Dias, Epagri/GMC, para a revista Agropecuária Catarinense de novembro/2014.

Foto: Aires Carmem Mariga
ai/UNOPress

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo