Medicina e Saúde

Orgasmo Vaginal e Ponto G não existem

Por que algumas mulheres tem dificuldade de ter orgasmo?

Nesta semana a revista Clinical Anatomy publicou um estudo em que pesquisadores afirmam que não existe tal coisa como orgasmo vaginal, orgasmo clitoriano ou mesmo um tal ponto G. Em vez disso, os pesquisadores dizem que o termo correto seria “orgasmo feminino”.

De acordo com o relatório, as descrições dos órgãos sexuais femininos estão errados. Ele afirma que os “clitóris internos não existe” porque todo o clitóris é, de fato, um órgão externo.

Os órgãos eréteis da mulher incluem o clitóris, os bulbos vestibulares – também conhecidas como as lâmpadas do clitóris – que se encontram em ambos os lados da abertura da vagina. Também incluem os pequenos lábios – conhecidos como os pequenos lábios da vagina – e o corpo esponjoso da uretra feminina – a massa de tecido esponjoso que rodeia a uretra, o tubo que liga a bexiga para uma abertura externa logo acima da abertura de vagina. O clitóris, é a zona mais erógena da mulher, muitas vezes chamado de “pênis feminino” porque é feito do mesmo tecido que o pênis masculino.

É possível que todas as mulheres cheguem ao orgasmo se os órgãos eréteis femininos forem efetivamente estimulados, os pesquisadores adicionaram.

O tamanho e a distância do clitóris da vagina é fundamental para saber se uma mulher tem facilidade de atingir o orgasmo, de acordo com pesquisadores que digitalizaram as áreas pélvicas de mulheres como parte de um estudo.

O estudo diz que a maioria das mulheres não chegam ao orgasmo durante o sexo com penetração e orgasmo “vaginal” relatado por algumas mulheres é de fato causado pelos órgãos eréteis – ou a estimulação do clitóris.

Embora seja impossível ter um orgasmo clitoriano, as mulheres não podem ter orgasmo sem estimulação do clitóris.

Ainda no estudo, os pesquisadores dizem que: “o orgasmo feminino é possível em todas as mulheres, sempre com estimulação efetiva dos órgãos femininos”.

Anteriormente, acreditava-se que o ponto G, orgasmo vaginal ou orgasmo clitoriano eram todos diferentes tipos de clímax. Mas, seja o nome que for, são a mesma coisa. Em outras palavras, tudo que foi dito antes sobre as zonas erógenas femininas, afirmando: Ponto G, orgasmo vaginal, orgasmo clitoriano são termos incorretos. Ainda tratando a ejaculação feminina e amplificação do ponto G, o estudo também afirma estes são “termos sem base científica.

Em vez disso, o orgasmo feminino acontece quando um grupo de peças são estimuladas em harmonia: o clitóris, os bulbos vestibulares, pars intermedia, pequenos lábios e o corpus spongiosum do uretra feminina. Juntos, esta região é chamada de “pênis feminino.”

O co-autor da pesquisa, Dr. Vincenzo Puppo, afirmou: “ejaculação masculina não significa automaticamente o fim do sexo para as mulheres“.

O estudo faz cair por terra a ideia de que a penetração por si só pode levar a mulher ao orgasmo. Quando na verdade muitas mulheres precisam de estimulo para ter orgasmo e outras até mesmo sem penetração. Desta forma, a conclusão é que para muitas mulheres o sexo não termina na ejaculação masculina. O orgão erétil feminino é externo!

“Tocar e beijar podem ser continuados indefinidamente, e atos sexuais sem penetração após a ejaculação masculina pode ser usado para produzir o orgasmo nas mulheres.” – continua.

Todas as mulheres podem ter orgasmo se o tecido erétil do sexo feminino, incluindo o clitóris for estimulado, disseram os pesquisadores.

A pesquisa emerge depois de um estudo publicado no Journal of Sexual Medicine no início deste ano que constatou que o tamanho do clitóris de uma mulher podem afetar sua capacidade de ter um orgasmo.

A pesquisa constatou que nas mulheres que têm problemas de orgasmo, o clitóris é menor e localizado mais longe da vagina, segundo o estudo.

Os pesquisadores disseram que a descoberta pode levar a novos tratamentos para as mulheres que sofrem de anorgasmia, que são incapazes de ter orgasmos.

Os pesquisadores usaram imagens de ressonância magnética (MRI) para digitalizar a área pélvica de mulheres com a média de 32 anos de idade.

30% das mulheres da pesquisa relataram raramente ou nunca atingir o orgasmo, apesar de tentar, enquanto o resto teve uma experiência normal durante o sexo.

É possível que uma distância menor entre essas estruturas da vagina torne mais fácil para o clitóris ser estimulado durante a relação sexual.

O homem que tiver isto em mente fará sua parceira muito feliz.

Mauro Queiroz/ai/UNOPRESS
fonte:
http://www.unopress.com.br/w/bgVDe

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo