Notícias Gerais

Golpe em Honduras não vai resistir muito tempo, acredita Amorim

Paris – O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, disse hoje (6) que o governo interino que tomou o poder em Honduras não vai resistir à pressão política internacional. “Sem a ajuda econômica do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, sem petróleo e com as relações comerciais suspensas com os Estados Unidos, o regime golpista não vai resistir muito tempo. O resultado disso não se vê em 24 horas, mas também não deve chegar a um mês, apenas alguns dias ou semanas”, afirmou o ministro em entrevista coletiva na Embaixada do Brasil em Paris.

Amorim avalia que “o caminho natural é a volta do presidente Manuel Zelaya”. O chanceler brasileiro afirmou que o golpe ocorrido em Honduras é fora da realidade do mundo atual. “Não existe mais no mundo lugar para um golpe como esse: chegar de manhã com uma metralhadora na cabeça e botar o presidente de pijama para fora do país.”

Ele rejeitou a comparação entre os bloqueios impostos ao governo interino hondurenho após o golpe e as sanções a que Cuba vem sendo submetida desde a Revolução Cubana, há 50 anos. “A resolução da OEA [Organização dos Estados Americanos] que previa o embargo a Cuba era totalmente anacrônica, nada tem a ver com a democracia, falava de combate ao marxismo e ao leninismo como ameaças ao continente”, analisou.

Amorim lamentou os incidentes violentos que culminaram na morte de duas pessoas ontem na capital hondurenha, e rejeitou a possibilidade de uma interferência brasileira com uso da força.

Carolina Nogueira/UNO

Comentários

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo