Notícias Regionais

Especialistas analisam pedra que oferece risco a população

Balneário Camboriú – Um geólogo e um engenheiro, contratados pela Prefeitura de Balneário Camboriú realizaram na tarde de quinta-feira, 4, inspeção na pedra de aproximadamente 80 toneladas. A rocha que corre risco de descer morro abaixo está localizada no Jardim Denise, nas proximidades de algumas residências. Na semana passada as moradias já haviam sido interditadas pela Defesa Civil da cidade.

O geólogo Arsênio Moratori, juntamente com seu filho, o engenheiro Arsênio Moratori Júnior, e a equipe do Departamento de Contenção de Invasão Urbana e Degradação Ambiental – Cuida, estiveram no local por volta das 16 horas. Logo que chegaram à pedra, que é de difícil acesso, os Moratori de imediato relataram a gravidade da situação. Disseram que, se uma forte chuva cair sobre a região, a pedra corre grande risco de descer o morro.

Para o engenheiro, o número de casas, oito, que já foram interditadas, ainda não é o suficiente. Para ele seria necessário desocupar pelo menos mais cinco residências. Contou que é preciso uma margem de segurança de pelo menos 100 metros, de cada lado e para frente.

O geólogo relatou que vai emitir um laudo em 24 horas, e entregará para a prefeitura. “No laudo vou pedir a desocupação imediata”, destaca. Sobre a possibilidade da implosão da pedra, os especialistas disseram que primeiramente será realizado um estudo topográfico do relevo. Será realizada uma sondagem geotécnica – o solo é perfurado, para saber o tipo do lençol freático. A intenção é verificar a estabilidade da encosta.


O geólogo destacou que os trabalhos são amplos e levam tempo. Exigem equipamentos especializados. Sobre o risco da pedra ceder, durante os trabalhos, os profissionais disseram que existe esta possibilidade nas duas alternativas – implodir ou cortar a pedra. Sobre o corte, disseram que também é preciso contatar profissional especializado no assunto.

No Início da noite os profissionais se reuniram com o secretário de Segurança, Nilson Frederico Probst, e relataram o resultado da inspeção.    

ai/UNO


Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios