Comportamento

Captura de forças de paz da ONU na Síria é o cúmulo da chantagem

21 soldados de forças de paz da ONU foram capturados pelos militantes da oposição síria no fim da tarde passada perto das Colinas de Golã. A seguir, na internet apareceu um vídeo, no qual um representante do grupo “Mártires de Yarmuk” disse que o pessoal das Nações Unidas será libertado apenas quando as forças governamentais do presidente sírio, Bashar Assad, deixarem a vila Jamlia. No mesmo dia, o Conselho de Segurança exigiu a libertação imediata dos soldados da paz sem quaisquer condições.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e o embaixador russo Vitaly Churkin, que actualmente preside ao Conselho de Segurança, condenaram a acção. Churkin considerou o caso“particularmente inaceitável e bizzaro”, porque os observadores estavam desarmados e a sua missão nada tem a ver com o conflito sírio.

A recente apreensão de 21 soldados da ONU nas Colinas de Golã, perto da fronteira sírio-israelense demonstra que muitos grupos rebeldes contrários ao presidente Bashar al-Assad não tem nenhuma intenção de observar os acordos internacionais ou cumprir a lei no território da Síria. Isto serve de alerta para o mundo em dar apoio a qualquer grupo na Síria.

Rebeldes pode tirar a vantagem disso e começar uma campanha sangrenta contra os apoiantes de Assad.


Tanto Síria quanto e Israel reclamam o controle das Colinas de Golã, uma área onde não há contingentes armados, exceto para as forças da ONU, que estão autorizados a ficar. No entanto, um grupo de pessoas armadas que chamam a si mesmos como rebeldes sírios detiveram um comboio de observação da ONU perto de um posto de observação na quarta-feira.

A Força de observação da Organização das Nações Unidas (UNDOF) foi implantada nas Colinas de Golã, em 1974, após a Guerra do Yom Kippur de 1973. A UNDOF consiste em mais de 1.000 militares, incluindo a Áustria, Croácia, Índia e Filipinas. Os rebeldes tomaram as tropas filipinas.

Embaixador da Rússia à Vitaly Churkin da ONU, que preside no Conselho de Segurança da ONU em março, disse que o Conselho condenou o ataque.

Os militantes que se dizem combatentes do “Mártires de Yarmouk” brigada disseram que vão manter os reféns até a retirada do exército sírio dos arredores da aldeia vizinha de Jamla. Essa demanda não é nada menos de chantagem cínica.


De acordo com Sergei Demidenko, do Instituto de Estudos Estratégicos e Análise, a oposição, que lançou uma campanha contra o regime sírio de dois anos atrás e a atual oposição são muitos diferentes da época.

“Ao longo do tempo, como o conflito se deteriora, a oposição muda sua face política. No início, as forças de oposição consistia de pessoas que realmente faziam oposição ao presidente Assad. Agora, eles mudaram para incluir os criminosos.”

Os islamitas radicais formam a espinha dorsal da oposição síria. Leonid Isayev, da Escola de Economia Russa afirma: “Militantes sírios estão operando em conjunto com a Al Qaeda. As armas que eles são fornecidos com e os militantes que vêm para suas fileiras são fornecidos pela Al Qaeda, incluindo em países do Magrebe Árabe. Seria ridículo para fornecer essa oposição estrangeira com a oportunidade de tomar o lugar da Síria na Liga Árabe. Então, fica claro porque muitos países Liga Árabe são contra”.

Já que a participação da Síria na Liga Árabe foi suspensa em 2011, a Síria está temporariamente representado pela Coalizão Nacional de Oposição e as Forças Revolucionárias na sessão ministerial da Liga Árabe em curso no Cairo. Esta decisão foi tomada a pedido da Arábia Saudita e Qatar. No entanto, Líbano, Iraque e Argélia têm falado contra ela exigindo que a Síria deva ser reintegrada como membro da Liga Árabe.


Foto: Reprodução

VDR/UNO

Comentários

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios