Criação de Sites


Moda Feminina

Moda Latine

De diácono a artesão em Barra Velha

Barra Velha - Os moradores de Barra Velha e a comunidade católica local se acostumaram a ver Juarez Silva numa inspirada pregação religiosa e em ações de divulgação da mensagem cristã no município e no Estado. Diácono ordenado pela Igreja Católica, Juarez é uma das lideranças mais conhecidas da igreja em Barra Velha, e atua na Comunidade Imaculada Conceição, no bairro Vila Nova. Mas poucos conhecem outro perfil do diácono: o Juarez artesão.

Moda Latine

Desenvolto numa atividade que pratica desde os 12 anos de idade, Juarez produz um criativo artesanato com base num material bem conhecido no interior de Barra Velha e São João do Itaperiú: o cipó imbé, comumente encontrado em comunidades como o Rio Novo e Medeiros. A tradição foi aprendida com o conhecido e saudoso artesão Nezinho Caviquioli, no Itapocu, em Araquari, e resulta na produção de uma diversificada cestaria.

É o próprio Juarez que se embrenha nas matas da região para retirar o cipó, que segundo ele, deve ser “cortado no ponto”. O imbé é descascado, raspado, rachado e passado em uma forma de lata artesanal, para regular a bitola do cipó. “A gente escolhe a espessura dos fios, trabalhados nessa forma de lata”, detalha. Os fios do imbé ficam semelhantes à fiação elétrica, e a partir daí, inicia a confecção das cestas.

Juarez aperfeiçoou a técnica e foi além das cestarias. Hoje produz portas-canetas, barcos de pesca artesanal, cisnes, molduras de quadros e espelhos e tudo mais que a criatividade permitir. Segundo o diácono, o artesanato, entretanto, não é uma fonte de renda, mas um hobby, já que ele raramente vende as peças. “Eu demoro uma manhã, por exemplo, para fazer uma peça grande e bem trabalhada”, comenta. “Então, teria que cobrar bem, mas uma peça de artesanato não deve ser cara”, acrescenta.

Para não deixar a tradição acabar, ele já ensinou as técnicas do artesanato na extinta cadeia pública de Barra Velha, e atualmente mantém aulas gratuitas para uma turminha de crianças da localidade da Corveta, em Araquari, de forma voluntária. “Sei que estou passando a possibilidade de uma futura profissão e fonte de renda para eles”, observa. Ainda de acordo com Juarez, com 20 horas de aula já é possível assimilar a técnica básica. Só neste ano, ele já produziu mais de 50 peças – muitas delas doadas para sorteios de brindes em festas beneficentes ou da Igreja Católica.

Juvan Neto/ai/UNO

Moda Latine
Seu Signo
Tempo em SC
Nível Rio Itajaí